sábado, fevereiro 09, 2008

Que Raiva


Tem horas que eu sinto vontade de torcer o pescoço de alguém, como quem torce o de uma galinha. Já sentiu isto? Agarrar com as duas mãos e apertar, apertar, apertar até ver os olhos saindo de órbita e a criatura ficando vermelha, verde, branca. Ver o desespero do ar que falta e sentir na ponta dos dedos o latejar do coração acelerado, nos seus últimos sinais. Sentir o debater dos braços que, no fim, caem inúteis. Pelo menos uma vez por semana eu sinto isso.


Pura verdade, mesmo que a maioria não admita. É só ver a expressão de fúria contida que assombra a face das pessoas quando enfrentam uma injustiça ou quando encaram a burrice. Nesta hora toda a caridade já se esvaiu, como veia cortada que espirra sangue pra todo o lado, e a ira cresce dentro do peito, sobe e ganha a garganta fazendo a gente engolir seco e bufar. Quem não sente vontade de esganar alguém, pelo menos uma vez por semana? Um flanelinha atrevido, um taxista ladrão, um ascensorista gaiato e pra não falar nos casos clássicos de inspiração de um crime deste tipo como um chefe chato, um colega folgado, um síndico pentelho e, maior entre os maiores, um ex-marido ou uma ex-esposa que incomodam.

Nos momentos de raiva não há como controlar o instinto que vêm pra nos dominar e, aos poucos, toma conta de nós. Odeio particularmente quando sou vítima da insistência de alguém, detesto quando me sinto enrolado, tenho acessos de ira quando a fila demora por causa de uma lesa que esta atendendo. Tem vezes que me seguro pra não gritar forte e alto: Que raiva!!!!!!!!! A raiva é de uma energia impressionante. Se pudesse ser transformada iluminaria muitas cidades. Não sei como que neste tempo de horário de verão ninguém pensou nisto. Milhões de quilowatts de raiva juntos iluminando São Paulo, por exemplo.

A cultura tenta maquiar a raiva através de supostos atos de controle, de resignação ou de conformismo. Tudo falso e inútil. Por mais que se tente ela continua existindo dentro de cada um de nós como força que pode crescer ao ponto de explosão ou ser controlada e liberada em pequenas parcelas de forma homeopática. O cotidiano urbano transforma-nos em panelas de pressão com pernas, ou liberamos devagar o acumulado ou vem uma hecatombe e leva tudo pela frente. Aceitar que isto existe mesmo dentro da alma mais nobre é um primeiro passo para saber lidar com esta parte presente da nossa personalidade.

Por controle cristão e civilidade castradora nunca batí nem esganei ninguém. Limito-me a reclamar com polidez isto quando, na maioria das vezes, não falo nada. Emudeço e deixo a raiva se espalhar pelo corpo, para se diluir. Nestes casos posso sentir a adrenalina escorrendo como tinta vermelha que se larga numa piscina. Esta postura que a civilização exige - com medo que nos tornemos bárbaros irracionais - acaba causando também danos internos. O excesso de raiva acumulada causa prejuízos ao organismo, ao intelecto, ao espírito ao ser como um todo. Deveriam existir clínicas especializadas em atendimentos de emergência para crises de raiva. Nestes locais as pessoas poderiam socar bonecos materializando sua revolta. Bater até atingir a calma da saciedade. Depois sairíamos mais leves desejando bom dia para quem encontrassem pelo caminho, acariciando cabeças de crianças e até exibindo um sorriso de comercial de pasta de dentes.

Agradecido à colaboração de Douglas Jung.



13 comentários:

Xoxoteson disse...

HAUSHAUHSUAH
bom texto sobre a raiva
as vezes eu tenhu essas vontades ai
AUSAUs
mais nunk bati em ngm ateh me acalmar
AUSHa

Mayna disse...

Bom texto!
Também já senti vontadede estrangular alguém...rsrs

http://maynabuco.blogspot.com

Debora Ferreira disse...

aa eu já passei TANTA raiva que até aprendi a controlar ... hehehe !!

Pois é, como assim tirar as barreiras né ? Só pq ele nao joga mais, quer que os times se EXPLODAM agora !
hehehehehehe

Anônimo disse...

Realmente... raiva é algo que as pessoas nao costumam demonstrar, mas sentem, sofrem e normalmente a expõe de outras formas, que muitas vezes magoam, geram ressentimento e muito mais raiva...Muito bom ler algo tao verdadeiro e perspicaz.

Squirrel disse...

Oláá,

todo mundo tem essa raiva que você falou nesse texto,tem horas que quero matar alguem mesmo,todo mundo tem esses tipos de raiva



beijos


ps:se quiser pode dá uma passada no meu blog

Geek Teen. disse...

Existem coisas como sorvete, refri, sono, musica(cada um com seu gosto) que servem para desestressar, mas o piór é quando você está Irado e ainda por cima te proíbem de fazer tudo isto pra quem sabe você se acalmar, te deixando com mais raiva ainda....

legal o blog....

quando puder comenta no meu:

http://teamgeek1604.blogspot.com/

Té mais...

blog do pedro disse...

Concordo plenamente contigo, Liandro!

De todos os exemplos que citaste, os que mais me irritam são os flanelinhas, que se acham os donos das ruas, pra não falar de outra coisa. Também tenho MUITA raiva dos fiscais de trânsito - os "azuisinhos" - que não tomam conta do que lhes é mostrado como prioridade e ficam, depois, enchendo o saco e multando pessoas honestas que pagam seus impostos.

Outra coisa que achei legal foi quando falaste na HIPOCRISIA DA NOSSA SOCIEDADE, que simplesmente "prega a moral, mas de pernas curtas". Pessoas espontâneas e indubitavelmente confiáveis são, muitas vezes, vistas como instáveis e desequilibradas... MAS A VERDADE É UMA SÓ: todomundo tem o seu calcanhar de Aquiles, e isso é fato!

ÓTIMO TEU BLOG - TEXTOS MARAVILHOSOS!!! Vou te linkar nos meus favoritos, tá? =)

Abração!!!

Eduardo Peret disse...

Excelente reflexão, eu também acho que deveria haver estratégias para dar vazão à raiva que acumulamos diariamente e que o comportamento social estabelecido nos impede de liberar. Adorei a idéia dos bonecos!

O mais engraçado é que a própria sociedade sabe perfeitamente o que acontece quando a raiva e a frustração diárias se acumulam, ainda mais quando o indivíduo é forçado (ou se força) ao isolamento. Aí vemos os homicidas/suicidas nas escolas, os malucos do trânsito, os infartos súbitos, a obesidade, o alcoolismo, as drogas... E, mesmo assim, nossa hipocrisia social não faz nada, como se as fugas e ataques súbitos fossem "um mal necessário", parte do processo "natural".

Mais uma vez, está de parabéns!

Dougg disse...

Eu sou total a favor das hecatombes emocionais. Muito embora eu esteja fazendo de tudo pra me livrar do vício neste anti-rábico- se é que se pode chamar assim.
Sou dado aos acessos de fúria, as vezes muito mais do que uma vez por semana; e acho mesmo que a vida muda quando se consegue descarregar, ainda que verbalmente, aquilo que se está sentindo.
O grande lance, é saber quando, onde e com/em quem se pode descarregar a raiva. Ter o cuidado de fazer isso de forma saudável, caso haja uma. E se permitir assumir a raiva como parte de si. Detectar os descontentamentos, respeitá-los e manifestá-los com proporcional energia. Gritar dentro de gavetas as vezes resolve. (bem as vezes)
Bater portas, "escrever a raiva"(incluindo palavrões), falar palavrões em voz alta... enfim, muitas táticas.
Quando convier, mande alguém pr'aquele lugar. E depois me conte o resultado.
Pra mim, é um santo remédio!

Beijos, Luana huahuahuahuahuahuahuahu

Anônimo disse...

Muito bom o texto.
Eu mesmo já aprendi a não guardar a raiva pra mim , ja joguei um gel de cabelos em plena panvel no chão, já mandei uma cliente comer um sapato, e uma cozinheira entrar dentro das panelas e ferver.E depois a gente sai bem mais leve,mas isso é somente em casos extremos mesmo.UM ABRAÇO.

Julia Porto disse...

Oi Liandro! Amei o seu blog! Achei ele porque eu estava procurando uma figura pra colocar em um texto meu acabei de escrever e tive a felicidade de encontrar o seu!!!!

Vou colocar na lista dos meus blogs, tá? Depois se tiver um tempinho venha conhecer o meu blog.

Até

Julia

Lariinha Alves disse...

Nossa ! Adoreii o blog
Parabééns ;*

Socorro Melo disse...

Oi,

G E N I A L! Adorei o texto. E confesso que minhas crises de raiva também são violentas, se não fosse o autocontrole, acho que já teria esganado alguém sim, kkk
A idéia da clínica, de socar bonecos, é fantástica (acho que seria cliente vitalícia, kkk).

Parabéns!

Socorro Melo