terça-feira, janeiro 29, 2008

Já escolhi minha fantasia







Já escolhi minha fantasia para o carnaval deste ano. Vou de Scarlet Ohara, mas nada de vestidos longos e escuros, excesso de maquiagem e outros adereços. É só lembrar da clássica cena protagonizada por Vivien Leigh, no épico “E o vento levou", quando a heroína, que sofre na miséria e no abandono, se revolta e brada aos céus “Juro que nunca mais passo fome". O trecho do filme virou sinônimo de situações de revolta em que a vida ao redor parece desabar e não se encontra a saída. Mas também é um marco quando uma situação chega ao limite do sofrimento e uma atitude é necessária para virar o jogo. Várias vezes na vida nos vemos em meio à chuva da tristeza, da desilusão, dos planos dilacerados pelos acontecimentos e, depois de sofrer e chorar a nossa cota gritamos, talvez para somente nós mesmos ouvir, que nunca mais passaremos por aquilo novamente. As performances scarletianas freqüentam, além do carnaval, o mundo do trabalho, das amizades, do dinheiro, do poder, enfim, o mundo das relações humanas em geral.


O grito pode sair alto, mas seu efeito, não raro, dura pouco. Passado um curto período lá estamos novamente nos metendo nas mesmas encrencas, dando velhos socos em pregos, insistindo, repetindo os mesmos erros e, pior, tornando a jurar que nunca mais vamos passar por isto novamente. Todos nós temos nossos momentos Scarlet Ohara. Ele vai se repetido, mudando apenas um pouco na alegoria ou na evolução. O excesso de confete do orgulho perturba a visão e isto gera culpados inexistentes, responsabilidades não assumidas, vergonhas mal encaradas. Quantas vezes prometemos a nós mesmos que não seremos mais enganados por promessas mirabolantes e somente basta uma sedução barata, uma ilusão carnavalesca, para nos puxar novamente ao caminho antes renunciado.



É no momento final do desespero que os caminhos se dividem. Ou ficamos ali prostrados, esperando quem sabe um milagre. Ou levantamos e damos o grito de guerra de nosso bloco e saímos pra mudar a situação, empunhando o nosso estandarte. Gritar que chega para as situações que nos oprimem e afirmar que não vamos passar por isto novamente requer muito esforço e além dele requer certezas. Por isto que a maioria das Scarlet são desacreditadas, lhes falta certeza quando bradam em meio a desolação. Carecem da firmeza de um puxador de samba. Na realidade os propósitos se limitam somente à impulsividade, gerada pela situação do momento. Por carência, fraqueza, necessidade ou outro sentimento parecido acabamos sendo puxados pra mesma situação, repetindo o ocorrido e andando em círculos.




Neste tempo de folia o cordão das Scarlets será numeroso. Diversas pessoas que, entre o revoltado e o inconformado, estarão expulsando de si o que lhes incomoda e se propondo a não repetir o mesmo caminho. Queria brincar as quatro noites repetindo “jamais.” Acreditar de novo nas mesmas promessas eleitorais? Tô fora. Gastar contando com o aumento salarial prometido? Nunca mais. Achar que o amor supera tudo? Em partes. Emprestar o livro preferido? Que dúvida. Dar uma nova chance a alguém que te magoou? Depende. Reencontrar? Tá bom vai lá. Nem escrevendo consigo encarnar o espírito da coisa. Sou um fracasso como personagem. Mal chega a terça-feira gorda e meu figurino já rasgou e minha revolta se derrete diante de um sorriso matreiro. Quando chegam as cinzas da quarta-feira minhas posições decididas ficam espalhadas pelo vento da quaresma.

10 comentários:

maxwell disse...

E quem nunca teve seu momento Scarlet Ohara?? Quem nunca agiu movido pelo sentimento, pela emocao, ao inves da razao? Sera que os Brasileiros nao sao, em sua maioria, Scarlet Oharas quando o assunto e politica?? Quantos ja se prometeram nunca mais aceitar determinadas situacoes de nossos politicos, mas no entanto nem se lembram para quem votaram nas ultimas eleicoes? Brinquemos o carnaval, acreditemos que nunca mais passaremos fome, pois na quarta-feira de cinzas, tudo volta ao normal...

RICARDO AGUIEIRAS disse...

Minha teimosia Scarleteana continua, também e aí está a minha sina. Acabo fazendo 10 % do prometido a mim mesmo e finjo que perdoei para não ficar só, até que Ret encha o saco e vá mesmo embora... E nem que eu volte para Tara adianta, por que quero compreender o que ninguém quer me explicar... Então, é um tal de ir e vir como um io-io... Como aqui perto não tem colina com uma árvore onde eu possa arrancar uma raiz de um rabanete ou nabo, vou me virando com pão com salsichas, nada saudável. Aí, claro, minha Scarlet sente uma falta tremenda de alguém e de algo, então me encho de conhaque, que alivia essa dor, caio na cama e durmo pesado. No dia seguinte, é só eu enxaguar a boca com perfume ou desodorante e ninguém nota nada... Só Ret notaria, mas ele não aparece mais na minha vida...Até o dia em que eu mate a Scarlet e assuma a Silvia Plat, colocando a cabeça dentro do forno. Só para dar subsídios para Eduardo Peret e outros me julgarem , carregados de moralismo cristão e burguês, nem Charles Laughton conseguiria me defender, como em "Testemunha de Acusação", todos com os seus dedos acusatórios em riste, acusando em nome da vida, do espiritismo, do catolicismo, do governo,da burguesia, da sociedade, da coragem e etc. etc. etc.... mas sempre acusando, juizes, ninguém pode com seus dedos nem com as suas sentenças...
Ricardo
aguieiras2002@yahoo.com.br
www.desobedienciasexual.zip.net

Alex disse...

Bem, o que dizer de um blog de um culto jornalista... achei muito interessante, vários assuntos... Gosto de saber a opinião dos outros sobre várias coisas, conhecer coisas novas... Muito interessante o post sobre o andarilho do Rio...

Um abraço

Thiago! disse...

gostei muito do seu blog!
parabens por ele!

Kemp disse...

A fantasia das fantasias ;)

Portal Espetacular disse...

Oi! Muito interessante seu blog... Gostei muito. Parabéns! Comenta lá também:
www.portalespetacular.zip.net

Everaldo Ygor disse...

Olá
São os ciclos...
Lembro da roda de Sansara, a grande roda de nascimentos e mortes, por não dizer renascimentos e libertações...
Ciclo interminavel que estamos presos e vivenciando, na realidade, nossos gritos, em nossas crônicas e poesias...
Parabéns!
Abraços
Everaldo Ygor
Visite:
http://outrasandancas.blogspot.com/

Dougg disse...

Vou fazer a Luana Piovani:
"O Liandro escreveu um texto pra mim!"
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
Não. Não caí em tentação.
Mas a cena de dizer que "Jamais passarei fome novamente!" se repete a cada novo relacionamento, a cada porcaria de problema sério que tem a resolução adiada. A cada manhã q inutilizo em nome de um tempo a mais de sono... enfim, posso listar inúmeras coisas. Caiu como uma luva.
Obrigada, "Caetano".
bjos, Luana.

Geminiana Doce disse...

Lindo e forte...Ficarei pensando no seu post..ôpa!!Até rimou...
Bjos e luz

Mayna disse...

Gostei muito!

http://maynabuco.blogspot.com